Reforma da Previdência – Link para o vídeo

Divulgamos abaixo a sugestão do nosso colega Luciano Rodrigues Coutinho da Seção de Manutenção e Apoio Logístico.

Trata-se do vídeo sobre a discussão da Nova Previdência, realizada pelos Secretários de Previdência, Leonardo Rolim e Narlom Gutierre Nogueira e mediada pelo Secretário de Gestão e Desempenho Pessoal, Wagner Lenhart.

Link: https://www.youtube.com/watch?v=n1KAXjufLQA

Feira Agroecológica da UFMG

A Praça de Serviços sedia, no dia 20 de março, a primeira Feira da UFMG de 2019. No horário de 9 às 17h, a comunidade poderá adquirir alimentos orgânicos, cultivados sem agrotóxicos e produzidos artesanalmente.

Segundo os organizadores, foram selecionados, por meio de edital, 46 produtores de segmentos variados: cultivo, medicina natural, hortaliças, mel, pães, bolos e doces, conservas e geleias, entre outros.

Além da feira, será oferecida oficina gratuita de Composteira Doméstica, a partir de 14h, no mesmo local. Na atividae, os participantes vão aprender a usar os restos dos alimentos, transformando-os em adubo para as plantas. Não é necessária inscrição.

O evento

Realizada quinzenalmente nos meses letivos, a Feira ocorrerá às quartas-feiras, na primeira e na terceira semana do mês, das 9h às 17h, na Praça de Serviços. Eventualmente, datas, horários e o local da exposição poderão ser alterados. São comercializados produtos manufaturados artesanalmente com matéria-prima orgânica, livre de agrotóxicos.

Descrição Imagem
Feira terá alimentos orgânicos e manufaturados artesanalmente. Lucas Braga/UFMG

Ficha técnica

Realização

A Feira da UFMG é resultado de parceria entre as pró-reitorias de Extensão (Proex) e de Administração (PRA), por meio do DGA e objetiva garantir um espaço educativo e de aquisição de alimentos agroecológicos na perspectiva da economia solidária e popular em consonância com o fortalecimento da agricultura familiar 

[Notícia extraída do seguinte endereço: https://ufmg.br/comunicacao/eventos/feira-agroecologica-da-ufmg-7]

Governo economizará menos de 0,01% com corte em ministérios

Redução de 29 para 22 órgãos poupará R$ 20,5 milhões por ano com despesa de pessoal em um total que ultrapassa os R$ 300 bilhões

Por Lucas Baldez

15 MAR 2019 10h21 atualizado às 15h23

O governo federal prevê uma economia de R$ 20,5 milhões ao ano com a reorganização da estrutura ministerial. Uma das principais medidas do presidente Jair Bolsonaro no começo de seu mandato, a diminuição do número de ministérios de 29 para 22 representa, financeiramente, uma redução de apenas 0,006% do total de despesas com pessoal do Executivo, com base nos R$ 316,7 bilhões de 2018. O número foi calculado pelo Ministério da Economia, a pedido do Terra, por meio da Lei de Acesso à Informação.

Presidente Jair Bolsonaro, durante evento no Palácio Planalto 15/1/2019 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Jair Bolsonaro, durante evento no Palácio Planalto 15/1/2019 REUTERS/Ueslei MarcelinoFoto: Reuters

A extinção de 21 mil cargos, funções e gratificações, conforme o Decreto nº 9.725/2019, publicado na última quarta-feira (13), fazem a economia de gastos com pessoal crescer para R$ 195 milhões no total. Mesmo praticamente multiplicado por dez, o impacto no orçamento continua baixo, passando para 0,06% em um universo de montantes anuais na ordem dos bilhões.

“Esse dado não surpreende”, diz o professor do Insper Sérgio Lazzarini, que pesquisa estratégias e organização no setor público. “Existe essa percepção da população de que tem um monte de gente empregada em Brasília, que é só cortar da estrutura inchada, mas a gente sabia que esse não era o problema”.

Para o especialista, as medidas têm um caráter simbólico. Lazzariniaponta que as ações fazem parte da construção do discurso político do presidente eleito. “É um ‘mise-en-scène’, uma estratégia. Não que ela seja irrisória ou desnecessária. Tem um efeito importante. Mostra que o governo está se preocupando com seu próprio gasto”.

As despesas de pessoal do governo crescem gradativamente a cada ano. Há cinco anos, em 2014, o total gasto foi de R$ 238 bilhões. Subiu para R$ 255 bi em 2015 e para R$ 276 bi em 2016. Em 2017, chegou a R$ 304 bi até atingir os R$ 316,69 bi de 2018.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) empossa Paulo Guedes como ministro da Economia, no Palácio do Planalto, em Brasília, nesta terça-feira (1º). (01/01/2019)
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) empossa Paulo Guedes como ministro da Economia, no Palácio do Planalto, em Brasília, nesta terça-feira (1º). (01/01/2019)Foto: DIDA SAMPAIO / Estadão Conteúdo

MP ainda precisa de aprovação

Apesar de o impacto financeiro ser pequeno, o governo ainda terá que se esforçar para implementá-lo definitivamente. Isso porque a Medida Provisória nº 870, que reorganizou os ministérios, ainda precisará de aprovação no Congresso. Para não perder o efeito, a MP, apresentada no dia 1º de janeiro, será votada até junho na Câmara. Por isso, ganhará caráter de urgência já a partir do dia 22 de março.

A tendência é que a medida seja aprovada, mas não sem algumas alterações. A MP já recebeu mais de 500 emendas e poderá se transformar em uma moeda de troca no Congreso, de acordo com o professor do Insper Sérgio Lazzarini. “Renovamos alguns nomes, mas não o modus operandi. Estamos vendo que os políticos ainda estão atrás de cargos”. Segundo o pesquisador, os partidos que dão sustentação ao governo vão querer algum tipo de compensação, incluindo cargos no Executivo.

O cientista político e professor titular aposentado da Universidade de São Paulo (USP), José Álvaro Moisés, enxerga um cenário ainda mais turbulento para o governo. Para ele, não há a clareza na natureza da coalizão, o que permite que deputados se aproveitem para barganhar projetos de seus interesses.

“É previsível que parte dos parlamentares vão utilizar essa circunstância para tentar passar propostas, que não necessariamente coincidem com as do governo”, avalia.

Nesse contexto, Moisés acredita que a reforma da Previdência sofrerá prejuízos devido a discussões paralelas. O professor diz que faltam lideranças para o sucesso da proposta no Congresso. “Fora o Paulo Guedes [ministro da Economia], ninguém fala da reforma. Não há nenhum sinal de que é uma prioridade até agora”.

Instalação de nome MInistério da Economia em prédio onde funcionava o MInistério do Trabalho em Brasília 3/1/2019 REUTERS/Adriano Machado
Instalação de nome MInistério da Economia em prédio onde funcionava o MInistério do Trabalho em Brasília 3/1/2019 REUTERS/Adriano MachadoFoto: Reuters

21 mil é pouco para cientista político

O Decreto nº 9.725/2019 prevê a extinção “parcelada” dos cargos comissionados. Dos 21 mil cortes, 6.587 foram realizados no momento da publicação do ato, na última quarta-feira (13). Entre eles estão 159 cargos, 4.941 funções e 1.487 gratificações. A partir de 30 de abril, mais 2.001 gratificações serão eliminadas. Mais à frente, em 31 de julho, será extinto o restante: 12.408 funções e 4 gratificações deixam de existir.

O cientista político José Álvaro Moisés vê esse número como insignificante. “Se o governo realmente quisesse tratar dessa questão, precisa multiplicar pelo menos por quatro ou cinco vezes”, critica. Ele diz que, como existiam mais de 100 mil cargos comissionados no Brasil até a última atualização, o impacto continua sendo pequeno no orçamento.

Moisés lembra que o governo pretendia reduzir a quantidade de ministérios para 15, mas subiu o número para 22. Segundo o professor, o contundente anúncio de enxugamento da máquina pública, tanto durante a campanha como depois da eleição, não foi colocado em prática por enquanto. “O impacto é pequeno, não faz jus ao que foi anunciado em campanha e no início do governo”.

[Notícia extraída do seguinte endereço: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/politica/governo-economizara-menos-de-001-com-corte-em-ministerios,140eab32fb755e88cc3a94f9f23429a6aszg5rri.html?fbclid=IwAR2LQzcag_fxEUETqs3qB-BwI3Isw9wJDlxnELw9-KhIA31Gsb7muY13sww]

Orquesta Atípica de Lhamas – Quarta Doze e Trinta

Divulgamos abaixo a sugestão da nossa colega Eliane Ferreira de Barros da Seção de Pessoal.

De Bogotá a Buenos Aires, de Santiago a La Paz, do Santa Tereza ao Carlos Prates. Com diferentes sotaques, trajetórias e influências artísticas, os músicos da Orquesta Atípica de Lhamas se apresentam no primeiro Quarta Doze e Trinta de 2019, misturando ritmos diversos como o reggaeton, a lambada, o bolero, o tecnobrega, o ragga e o quarteto.

O evento é uma realização da Diretoria de Ação Cultural da UFMG e do Sindicato dos Professores de Universidades de Belo Horizonte (APUBH).

Encerramento do prazo para opção pelo regime de previdência complementar – Medida Provisória n° 853/2018, convertida na Lei nº 13.809, de 2019

Divulgamos abaixo a mensagem enviada pela Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia.

Informamos que o prazo para opção pelo Regime de Previdência Complementar – RPC se encerra às 23h59min do dia 29 de março de 2019. Podem optar pelo RPC, os servidores que ingressaram em cargo efetivo do Poder Executivo Federal antes de 04 de fevereiro de 2013, sendo uma decisão de caráter irrevogável e irretratável.

Para formalizar a opção, o servidor deve acessar o módulo específico na página do SIGEPE SERVIDOR, pelo endereço eletrônico www.servidor.gov.br, no menu Previdência, e em seguida “Optar por Vinculação ao RPC”. O SIGEPE ficará indisponível para a migração no período entre às 18hs do dia 15/03 e às 07hs do dia 25/03/2019, quando é processada a folha de pagamento do Poder Executivo Federal.

Os pedidos de migração que ocorrem no período de 25 a 29/03/2019 surtirão efeitos somente na folha de pagamento do mês de abril/2019.

Atenciosamente,
Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal
Ministério da Economia

ATENÇÃO – Alerta de Segurança!

Considerando a importância de observar cuidados com a segurança da rede, estamos divulgando novamente a informação do colega João Paulo, Chefe da Seção de Tecnologia da Informação (STI). Pedimos a atenção de todos!

Escola de Engenharia da UFMG.

Para: Servidores

De: Seção de Tecnologia da Informação(STI)

Prezados,

Informamos que no dia 12 de Março, diversos usuários receberam e-mails com a seguintes mensagens:

Notificação urgente
caro rede@eng.ufmg.br
Esta mensagem é da equipe de suporte do webmail zimbra, esta é para informá-lo que o seu email: rede@eng.ufmg.br em breve será bloqueado porque você não conseguiu atualizar livremente e começar a usar a nova plataforma de webmail zimbra.
Experimente aqui: http://uo829938207738.cf/
Seu livre para atualizar para a nova versão, ser avisado que não vai lembrá-lo novamente.
obrigado.

Apoio, suporte

É importante que nenhum usuário clique no link ou responda esse e-mail.

Vírus de computador é um software malicioso que é desenvolvido por programadores geralmente inescrupulosos para danificar seu computador. Tal como um vírus biológico, o programa infecta o sistema, faz cópias de si e tenta se espalhar para outros computadores e dispositivos de informática.

A maioria das contaminações ocorre por ação do usuário. Um exemplo muito comum se dá por meio do download de arquivos infectados que são recebidos em anexos de e-mail’s.
— 
Atenciosamente

João Paulo Azevedo Morais
Chefe da Seção de Tecnologia da Informação
Escola de Engenharia da UFMG
31-34093543

Modernização de serviços de telefonia – Engenharia (continuação), Farmácia e ICB

Divulgamos abaixo a mensagem enviada pelo Diretor de Tecnologia da Informação da UFMG, Professor Dorgival Olavo Guedes Neto.

À comunidade universitária, 

Dando prosseguimento à atualização tecnológica do sistema de telefonia da UFMG, a DTI informa a seguinte agenda de migração de serviços para a próxima semana: 

– terça-feira, 12/03, das 12:00 às 15:00 – Escola de Engenharia (continuação) 
– quinta-feira, 14/03, das 12:00 às 15:00 – Faculdade de Farmácia 
– sexta-feira, 15/03, das 12:00 às 15:00 – Instituto de Ciências Biológicas 

Nesses horários o serviço de telefonia ficará indisponível ou instável nas unidades indicadas. 

Informamos que a migração na FACE foi encerrada. 

Oportunamente divulgaremos a agenda para as demais unidades. 

Atenciosamente, 

Prof. Dorgival Olavo Guedes Neto 
Diretor de Tecnologia da Informação