Todos os posts de Assessoria de Recursos Humanos

Orquestra Sinfônica da UFMG realiza concerto no Quarta Doze e Trinta

A Orquestra Sinfônica da Escola de Música da UFMG realiza, na quarta-feira, 16 de outubro, concerto gratuito e aberto ao público na Praça de Serviços, campus Pampulha, por meio do projeto Quarta Doze e Trinta, integrante do Circuito Cultural UFMG. A atividade faz parte da programação da Semana do Conhecimento UFMG. A entrada é gratuita e aberta ao público externo.

  O concerto terá no repertório as obras Aberura Coriolano de Beethoven, Andante festivo de Sibelius  e a Sinfonia 104 de Haydn. Sob regência da maestrina Iara Fricke Matte, a orquestra desenvolve algumas iniciativas de aproximação do público, como o projeto Jornada concertistas em pauta, com um concertista convidado. Mensalmente, realiza concertos gratuitos, com o intuito de difundir a arte sinfônica.

 A orquestra

Fundada pelo professor Sebastião Vianna em 1972, a orquestra tem um papel fundamental como laboratório para um grande número de classes, como regência, composição, instrumentos de orquestra e até canto. Em sua composição, participam alunos de graduação, pós-graduação e servidores da UFMG.

  Serviço

Quarta Doze e Trinta – Espetáculo “Amazônia”, do Grupo Sarandeiros

Data: 25 de setembro

Horário: 12h30

Local: Praça de Serviços – Campus Pampulha – UFMG(Av. Antônio Carlos, 6627 – Pampulha) ENTRADA FRANCA

Aposentadoria de servidores federais bate recorde às vésperas de mudança na Previdência e sugestões elencadas

A reforma da Previdência, que está prestes a ser aprovada no Congresso, promoveu uma disparada nas aposentadorias de servidores públicos federais. No acumulado dos oito primeiros meses do ano, 28.018 funcionários públicos da União conseguiram se aposentar, segundo o Painel Estatístico de Pessoal (PEP), do Ministério da Economia. É o maior número para o período janeiro-agosto de toda a série histórica, iniciada em 1995.

O dado parcial de 2019, além disso, supera a quantidade de aposentadorias registradas no acumulado de janeiro a dezembro de todos os anos desde 1996. Apenas em 1995 houve número maior em 12 meses – naquele ano, o primeiro da série histórica, 36.898 pessoas deixaram o serviço público federal. A julgar pelo ritmo de autorizações, 2019 deve superar esse total.

Em 2018 havia ao menos 108 mil servidores que já haviam cumprido os requisitos para aposentar, mas seguiam na ativa. Eles recebem um abono de exercício, espécie de incentivo para que continuem trabalhando. O relatório “Gestão de Pessoas e filha de pagamentos do setor público – o que dizem os dados?”, do Banco Mundial, pondera que esse bônus de permanência é uma forma útil de prolongar o período de colaboração do servidor experiente e gerar uma economia, já que ele não se aposenta e deixa de ser necessária uma nova contratação. É preciso, no entanto, prestar atenção a fluxos repentinos de aposentadoria.

A expectativa de que a quantidade de aposentadorias continue crescendo também se justifica pela faixa etária dos servidores. Em agosto de 2019, 41% dos funcionários do regime jurídico unificado do governo federal tinham mais de 51 anos. Uma projeção feita pelo Banco Mundial aponta que até 2022, cerca de 26% dos servidores federais já terão se aposentado. Até 2030, serão 40%.

“Há um grande contingente de servidores em vias de se aposentar e vários que já recebem abono permanência, de forma que reformas de pessoal e de folha de pagamentos, como a reformulação do sistema de carreiras e a criação de carreiras mais transversais têm grande impacto fiscal e de eficiência”, aponta o Banco Mundial.

Entre as sugestões elencadas pelo relatório está a criação de um novo sistema de carreiras, com salários iniciais menores, e a racionalização de carreiras já existentes, o que deve gerar um custo de transição menor e ganhos fiscais mais relevantes. A estimativa do Banco Mundial é de que em 2030 cerca de um quarto da folha de pagamento do governo federal será composto de servidores que ainda nem foram contratados.

Fonte: Gazeta do Povo