Um em cada quatro servidores públicos federais no Brasil é professor

Professores são um em cada quatro servidores federais na ativa. Ao todo, são 145,3 mil trabalhando em universidades, institutos federais e escolas. O total de funcionários públicos em atividade é de 603 mil. Os números não levam em conta os militares e foram registrados em julho de 2020.

A reforma administrativa proposta pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atinge em cheio o servidor público federal civil ao criar, por exemplo, mecanismos para demissão por mau desempenho. Para entender quem será mais impactado, é útil ver como é formado o contingente de servidores.

Grande parte é de professores, maior categoria dentro do serviço público federal. Como não são enquadrados como categoria com funções de Estado, os docentes contratados após a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) – caso o Congresso a aprove – estarão sujeitos a todas as mudanças propostas pelo Ministério da Economia.

Defendida pela equipe econômica como uma forma de racionalizar os gastos públicos, a PEC é denunciada por sindicalistas como uma forma de piorar os serviços para a população. “Essa reforma irá acabar oficialmente com todos os direitos trabalhistas conquistados pelos servidores. O fim da estabilidade os deixa os vulneráveis às pressões políticas e pode virar um verdadeiro cabide de emprego a cada mudança de governo”, afirma Samuel Fernandes, diretor do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF).

Entidades que representam os servidores públicos cerram fileiras contra a proposta do governo. A Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef) iniciou uma “jornada em defesa dos serviços e dos servidores públicos”.

Para o secretário-geral da entidade, Sérgio Ronaldo da Silva, o texto “acena ao mercado e penaliza toda a população”. Segundo ele, a proposta quer “dividir a categoria com mentiras, dizendo que só os novos serão atingidos, mas, na verdade, no final, quem vai pagar a conta é o trabalhador e a população, e quem vai ganhar são os bancos e o mercado financeiro, assim como foi na reforma da Previdência”, disse o sindicalista ao site da Condsef.

O gráfico a seguir mostra as 10 carreiras com a maior quantidade de servidores.

A categoria de professores é composta por 25 carreiras diferentes. A maior delas é de magistério superior, com 86,7 mil pessoas. Em seguida, os professores de ensino básico técnico e tecnológico. O próximo gráfico mostra como é a distribuição dos docentes em cada categoria.

 
As informações são do Painel Estatístico de Pessoal (PEP), mantido pelo Ministério da Economia.

Fonte: Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.